Casos de sífilis aumentam de forma preocupante em Palmas/PR

Por Ivan Cezar Fochzato sexta-feira, 06 out 2017 09:58 AM

O elevado número de casos de doenças sexualmente transmissíveis neste ano de 2017 em Palmas, sul do Paraná, foi discutido ontem(05) durante encontro do Comitê de Investigação. No Campus do IFPR estiveram reunidos médicos e enfermeiros do serviço público municipal para uma capacitação.

A Vigilância em Saúde confirma 117 casos de sífilis(congênita, adquirida, gestantes) e outros quatro casos de HIV, somente neste ano, classificando o quadro como alarmante.  Como exigência do Ministério da Saúde, o Comitê fará a investigação dos casos e intervenções sigilosas  para sua redução.

1507231201Conforme estudo da Universidade Estadual de Campinas(UNICAMP), o Brasil registrou, nos últimos anos, um aumento vertiginoso da doença infectocontagiosa causada pela bactéria Treponema pallidum(sífilis).  Em sua forma adquirida – contraída a partir de relações sexuais sem proteção –, teve  crescimento de 5.174% entre 2010 (1.249 casos) e 2015 (65.878 notificações). Já a forma congênita, transmitida durante a gravidez, aumentou 851% passando de 3.508 casos 33.381, em 2015.. Os números de 2016 e 2017 ainda não foram tabulados pelo Ministério.

As hipóteses mais prováveis para o aumento estão diminuição do uso de preservativos entre a população mais jovem, o despreparo de profissionais, falta de políticas públicas adequadas no campo da educação sexual e a escassez da produção do antibiótico benzetacil.

A manifestação da sífilis adquirida se dá por meio de feridas, local de entrada da bactéria no corpo, levando posteriormente a causar manchas. Em sua fase avançada, a doença leva ao aparecimento de lesões na epiderme, olhos e sistemas cardíaco e neurológico, podendo levar a morte. No caso da sífilis congênita, a infecção ocorre ainda no útero da mãe, podendo levar a má formação do feto, aborto e morte.