Acusado pela morte de jovem em Abelardo Luz/SC alega que disparo foi acidental

Por Guilherme Zimermann terça-feira, 12 set 2017 09:40 AM

Fonte: *colaboração Moacir Chaves

O acusado pelo homicídio de Larissa Silva dos Santos, 21, morta no último dia 07, no Rincão Torcido, interior de Abelardo Luz, Oeste de Santa Catarina, se apresentou na Delegacia da Polícia Civil do município na tarde de segunda-feira (11). O rapaz de 20 anos era companheiro da vítima e teria efetuado um disparo de arma de fogo na cabeça da jovem. Ele diz que disparo foi acidental. A Polícia rechaça a versão do suspeito.

Foto: Reprodução/Facebook
Foto: Reprodução/Facebook

O crime ocorreu no final da tarde do feriado da Independência. Larissa foi alvejada na cabeça. Segundo a Polícia Militar, o crime ocorreu após um desentendimento entre o casal. O corpo da vítima foi encontrado no corredor da casa onde residia. Os Bombeiros foram acionados, mas a jovem já não apresentava sinais vitais quando a equipe chegou ao local. O suspeito fugiu logo após o fato.

Em depoimento à polícia na tarde de ontem, o rapaz disse que o disparo foi acidental, no momento em que estava manuseando a arma. Segundo o delegado Tiago Krejci, o acusado relatou não ter conhecimento sobre como manusear a arma, o que teria provocado dois disparos – o primeiro que acertou a mão da vítima e o segundo que atingiu a sua própria mão e a cabeça de Larissa.

Porém, o delegado afirma não acreditar na versão do acusado, por conta das circunstâncias apresentadas no local do crime, como o ângulo do disparo e o local onde a jovem foi atingida.  Entretanto, afirma que aguarda os laudos periciais, tendo como primeira linha de investigação o disparo intencional por parte do suspeito. Outras testemunhas deverão ser ouvidas, para confrontar as versões apresentadas sobre o caso. Também aguarda-se os resultados da perícia sobre uma possível gravidez  da vítima, que deixou uma filha de três anos.

Outro ponto destacado pelo delegado de polícia foi a localização de diversos estojos de munição e material de recarga no interior da residência onde a jovem foi morta, o que seria incompatível com a justificativa do acusado, de que não sabe manusear armas de fogo. Inclusive, de acordo com o delegado, a vítima já havia registrado boletim de ocorrência por estar sofrendo ameaças por parte do suspeito. Após prestar depoimento, o suspeito foi liberado.